A coragem de falar

Home / Pedofilia / A coragem de falar

A coragem de falar

ArquivoExibir

“Fui abusado na infância. Só quando consegui pronunciar essa frase para minha mulher, aos 42 anos, é que pude começar a viagem em busca de meu passado. Ele estava enterrado pelo sofrimento, pela vergonha e pelo medo de falar. O silêncio é o melhor amigo da pedofilia”…

Assim começa o sincero relato de Marcelo Ribeiro em seu livro “Sem medo de falar – relato de uma vítima de pedofilia”. Empresário no ramo de construção industrial, o mineiro Marcelo Ribeiro conseguiu enfrentar seus traumas para superar sua dor pessoal.

Com seu relato, possibilita que outras vítimas percebam que não foram as únicas atingidas pelo terror da pedofilia, inspirando-as para também encarar os próprios fantasmas. Ao mesmo tempo, o autor alerta a sociedade sobre esse mal que assombra muitas crianças e adolescentes. Mais uma vez, lembramos que pedofilia é crime e precisa ser denunciado.

De acordo com notícia publicada em março deste ano por “O Globo”, em 2013, 134 pessoas foram presas pela Polícia Federal sob acusação de pornografia infantil – “outra faceta da pedofilia”.

Esse fato também foi noticia no “Fantástico”, destacando o crescimento no número de denúncias: no ano passado, foram mais de 80 mil – o dobro do índice registrado em 2012. A reportagem do programa dominical da TV Globo apresenta ainda a ação de duas famílias, que descobriram, denunciaram e viabilizaram a prisão de dois pedófilos no Estado de São Paulo.

Então lembre-se: disque 100 sempre que constar que algo está errado.

#naofecheosolhos #contrapedofilia

Agradecemos por sua coragem de nos contar um caso tão delicado.

O reconhecimento de situações de violência é muito importante para que se possa dar encaminhamento adequado, tanto para quem sofreu à violência como para quem a praticou. Esse acompanhamento também deverá ser extensivo à família visando o enfrentamento da situação e amenização do trauma e das demais consequências sociais, psicológicas e físicas decorrentes desta violação de direitos humanos.

O Instituto ABIHPEC não fornece atendimento direto à população ou acompanhamento dos casos, nem atua na responsabilização de agressores. Desde 1999, lutamos por uma infância e juventude livres de exploração e abuso sexual desenvolvendo programas regionais e nacionais junto a empresas, conscientizando a população sobre o tema e influenciando políticas públicas.

Recomendamos que procure o Ministério Público da Infância e Juventude do seu estado, a Delegacia de Polícia da Criança e do Adolescente de sua cidade ou o Conselho Tutelar do seu município para solicitar auxílio.

Outras informações podem ser encontradas na seção “Informe-se e saiba como Agir” do nosso site.

Seguem contatos que achamos que podem ajudar neste processo:

PAVAS – Programa de Atenção à Violência Sexual
Dados para contato:
Endereço: Faculdade de Saúde Pública USP
Endereço: 03178-200, Av. Dr. Arnaldo, 925 – Sumaré, São Paulo – SP
Telefone: (11) 3061-7721

CEARAS – Centro de Estudos e Atendimento Relativos ao Abuso Sexual / Instituto Oscar Freire/ FMUSP
Endereço: Rua Teodoro Sampaio, 115, Faculdade de Medicina da USP – Instituto Oscar Freire, Cerqueira Cesar
CEP: 05405-000 São Paulo – SP
Telefone: (11) 3061 84 29
E-mail: cearas@iof.fm.usp.br
Site CEARAS

Centro de Referência às Vítimas de Violência do Instituto Sedes Sapientiae
Endereço: Rua Ministro Godoy, 1484, Perdizes
CEP: 05015-900 São Paulo – SP
Telefone: (11) 3866 27 56 e (11) 3866 27 57
Email: cnrvv@sedes.org.br
Site Sedes