Universitários no combate à pedofilia

Home / Pedofilia / Universitários no combate à pedofilia

Universitários no combate à pedofilia

Os jovens Gabriel Dias, 22 anos, Gabriel Lett Viviani, 22, Gabriel Martinez, 21, e Ítalo Ferreira, 24 anos, formaram-se em Ciência da Computação pelo conceituado Centro Universitário da FEI, em São Bernardo do Campo, região metropolitana de São Paulo, deixando um importante projeto para as próximas turmas. Sob a orientação do professor Rodrigo Filev Maia, eles apresentaram um sistema de algoritmos para identificar pedófilos, como projeto de conclusão de curso.

Ainda em fase de testes, a princípio, o algoritmo funciona em inglês e permite que os pais analisem, em tempo real, as conversas dos filhos realizadas por computador ou telefone celular. Quando defendido pelos universitários, o sistema apresentava taxa de acerto de 85%, revelando-se uma potencial ferramenta preventiva de proteção às crianças. De acordo com matéria publicada recentemente pela editoria de tecnologia do jornal Folha de S.Paulo, o sistema funciona da seguinte maneira:

“1. A conversa passa por um programa que ‘quebra’ os diálogos em partes.”

“2. Um banco de dados armazena os termos e compara a conversas ‘culpadas’ e ‘inocentes’.”

“3. O software dá notas para os textos oriundos dos chats e acusa positivo ou negativo.”

Dessa maneira, o sistema identifica características que costumam ser típicas entre abusadores que assediam crianças para conversar. Replicada no site Catraca Livre, a matéria explica que “termos como ‘garoto’ ou ‘garota’, ‘querido’ e mais algumas combinações específicas de palavras identificam o potencial agressor para que os pais possam então conferir o que está acontecendo”.

Ciente de que o sistema ainda apresenta alta taxa de “culpados” que, na verdade, são inocentes, para a equipe da Folha de S.Paulo, um dos envolvidos no projeto defendeu: “Mas nesse caso é muito melhor detectar um inocente que deixar passar um agressor”. Para aprimorar o sistema, os quatro jovens serão os mentores de outros estudantes, que desenvolverão as próximas fases do projeto sob a orientação do mesmo professor. A expectativa é que, até 2016, o algoritmo esteja pronto para ser aplicado na prática.

Agradecemos por sua coragem de nos contar um caso tão delicado.

O reconhecimento de situações de violência é muito importante para que se possa dar encaminhamento adequado, tanto para quem sofreu à violência como para quem a praticou. Esse acompanhamento também deverá ser extensivo à família visando o enfrentamento da situação e amenização do trauma e das demais consequências sociais, psicológicas e físicas decorrentes desta violação de direitos humanos.

O Instituto ABIHPEC não fornece atendimento direto à população ou acompanhamento dos casos, nem atua na responsabilização de agressores. Desde 1999, lutamos por uma infância e juventude livres de exploração e abuso sexual desenvolvendo programas regionais e nacionais junto a empresas, conscientizando a população sobre o tema e influenciando políticas públicas.

Recomendamos que procure o Ministério Público da Infância e Juventude do seu estado, a Delegacia de Polícia da Criança e do Adolescente de sua cidade ou o Conselho Tutelar do seu município para solicitar auxílio.

Outras informações podem ser encontradas na seção “Informe-se e saiba como Agir” do nosso site.

Seguem contatos que achamos que podem ajudar neste processo:

PAVAS – Programa de Atenção à Violência Sexual
Dados para contato:
Endereço: Faculdade de Saúde Pública USP
Endereço: 03178-200, Av. Dr. Arnaldo, 925 – Sumaré, São Paulo – SP
Telefone: (11) 3061-7721

CEARAS – Centro de Estudos e Atendimento Relativos ao Abuso Sexual / Instituto Oscar Freire/ FMUSP
Endereço: Rua Teodoro Sampaio, 115, Faculdade de Medicina da USP – Instituto Oscar Freire, Cerqueira Cesar
CEP: 05405-000 São Paulo – SP
Telefone: (11) 3061 84 29
E-mail: cearas@iof.fm.usp.br
Site CEARAS

Centro de Referência às Vítimas de Violência do Instituto Sedes Sapientiae
Endereço: Rua Ministro Godoy, 1484, Perdizes
CEP: 05015-900 São Paulo – SP
Telefone: (11) 3866 27 56 e (11) 3866 27 57
Email: cnrvv@sedes.org.br
Site Sedes